5 respostas sobre o Mercado Livre de Energia

Já imaginou poder comprar energia de um fornecedor alternativo àquele que sua empresa está acostumada? E o melhor de tudo: fazendo economia de gastos com mais sustentabilidade para os seus negócios? É o que acontece quando você opta pelo Mercado Livre de Energia (ML).

Trata-se de um ambiente no qual os participantes estão autorizados a negociar livremente todas as condições comerciais que envolvem o fornecimento energético de que precisam, sejam cláusulas energéticas ou financeiras.

A procura por esse modelo de negócios vem aumentando, tanto que o setor apresentou números animadores em setembro deste ano. Em relação a 2019, o crescimento de consumo no Mercado Livre foi de 22% a mais no mesmo período. Para completar, a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) anunciou que o número de agentes no mercado já ultrapassou os 10 mil.

Com tantas vantagens, o Mercado Livre de Energia pode ser uma boa solução para sua empresa. No entanto, é comum que o assunto gere dúvidas em quem ainda está estudando a possibilidade. Pensando nisso, viemos trazer respostas para as 5 principais perguntas que você pode se fazer durante esse processo. Acompanhe!

  1. Quais os tipos de consumidores de energia?

Existem dois tipos de consumidores: os livres e os cativos. Comecemos por estes últimos.

consumidor cativo é aquele que está condicionado a comprar energia da concessionária presente na região sem direito à escolha da contraparte.

A energia comprada pelas distribuidoras é realizada através de leilões regulados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), mas ele não pode gerir essa parcela de contratação.

Do outro lado, temos o consumidor livre. Ao contrário dos cativos, ele pode escolher a contraparte fornecedora que oferecer a energia que mais lhe convém.

Para ambos os consumidores, cativos e livres, a concessionária local é quem fornecerá o transporte da energia a ser consumida.

  1. Qual a vantagem de ser um consumidor livre?

No mercado cativo, os consumidores pagam o consumo medido pelo preço fixo das tarifas — que ficam sob controle da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) — e um adicional de custo quando a bandeira está vermelha ou amarela.

Os consumidores do Mercado Livre, por sua vez, estão dispensados de pagar os adicionais da bandeira tarifária. Além do mais, as já mencionadas facilidades de negociação, com relação ao contrato firmado, também contribuem para a economia da empresa, reduzindo os custos da aquisição energética, bem como previsão orçamentária.

  1. Quem pode migrar para o Mercado Livre de Energia?

Para adentrar ao Mercado Livre de Energia é preciso que a demanda contratada por sua empresa seja igual ou superior a 1.500 kW para cada unidade. Mas, de acordo com o Ministério de Minas e Energia (MME), esse valor será reduzido gradualmente nos próximos anos. Pela decisão, os novos limites ficarão desta forma:

  • a partir de janeiro/2022: demanda mínima de 1.000 kW;
  • a partir de janeiro/2023: demanda mínima de 500 kW.
  1. Como contratar energia no ML?

Como você viu logo no início, há uma infinidade de agentes à disposição no Ambiente de Contratação Livre. Não obstante, as negociações são bilaterais e envolvem uma série de aspectos técnicos e condições comerciais.

Por esse motivo, o melhor a se fazer é solicitar os serviços de uma empresa que realize consultoria especializada no assunto. Dessa forma, sua empresa será orientada para fechar contrato com a melhor opção em termos de eficiência e redução de custos.

  1. Por fim, como faço para migrar?

Como forma de assegurar que o Mercado Livre de Energia será a melhor solução para sua empresa, recomenda-se um estudo detalhado da viabilidade econômica antes de tudo.

A partir dele, é possível descobrir se a vantagem da migração é apenas um benefício a curto prazo ou se ele se mantém ao ser projetado para maiores períodos.

Se o resultado for positivo, os primeiros passos são rescindir o contrato de energia com a concessionária atual e tornar-se um agente da CCEE.

Essa etapa deve acontecer com no mínimo 180 dias de antecedência para não resultar em multa contratual. Protocolados os documentos, o processo de migração tem início. Enquanto isso, o consumidor continuará recebendo energia da concessionária local.

Agora que você já tem algumas questões respondidas sobre o Mercado Livre de Energia, pode pensar melhor a respeito de trazer essa solução para sua empresa. E, se quiser saber um pouco mais sobre o assunto, podemos ajudá-lo com este outro conteúdo.

Para ficar por dentro das novidades, é só assinar nossa newsletter e aguardar os próximos envios. Esperamos você!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Você também pode se interessar por:

Se inscreva para receber nossas newsletter e acompanhar todas as novidades GY.