Carros elétricos e a infraestrutura de carregamento: desafios e oportunidades

imagem Carros elétricos e a infraestrutura de carregamento: desafios e oportunidades

A venda de carros elétricos no Brasil segue batendo recordes. Nos primeiros oito meses de 2023, o Brasil registrou um aumento expressivo nas vendas de veículos eletrificados leves. Foram emplacadas 49.052 unidades, representando um crescimento de 76% em relação ao mesmo período de 2022 e 129% em comparação com 2021. Em apenas dois anos, as vendas mais que dobraram. Esses dados são da ABVE (Associação Brasileira de Veículos Elétricos).¹

Por consequência, há um crescente esforço por parte do poder público e das fábricas do setor para trazer mais carros elétricos às estradas do país. Mas, à medida que os números de veículos elétricos aumentam, a indústria enfrenta outro desafio: a infraestrutura de carregamento.

Os eletropostos, como são conhecidos, estão cada vez mais numerosos no Brasil, embora ainda exista muito trabalho a ser feito para garantir a disponibilidade adequada desses pontos de recarga em todo o país.

Tem interesse nesse assunto? Continue para entender qual é o cenário atual da infraestrutura de carregamento de veículos elétricosno Brasil e em outras localidades e as perspectivas para o futuro.

O estado atual de veículos elétricos e da infraestrutura de carregamento

Na América Latina, diversos países têm tomado iniciativas para promover a mobilidade elétrica. De acordo com o 2º Anuário Brasileiro da Mobilidade Elétrica, feito pela Plataforma Nacional de Mobilidade Elétrica (PNME) e com dados de agosto/2022, a Colômbia lançou políticas com metas ambiciosas, como a incorporação de 600.000 veículos elétricos até 2030.

No mesmo ano, o Panamá estabeleceu uma Estratégia Nacional de Mobilidade Elétrica, seguida por uma lei em 2022 para impulsionar a transição energética no transporte. Já a República Dominicana, em 2020, introduziu um Plano Estratégico focado emenergias renováveis e no desenvolvimento da infraestrutura de recarga.

Com relação à rede de infraestrutura de carregamento de carros elétricos em operação, o destaque vai para o continente europeu, onde dois países estão na liderança em quantidade de eletropostos. Dados recentes da Associação Europeia de Fabricantes de Automóveis (ACEA) revelam que metade das estações de recarga para carros elétricos na União Europeia estão concentradas na Holanda, com 90.000 carregadores, e na Alemanha, com 60.000.

No cenário brasileiro, de acordo com o 2º Anuário, existem 1.400 estações de recarga para Veículos Elétricos (VE). Essa quantidade, embora ainda incipiente, está em constante crescimento.

Projeções feitas e divulgadas pelo mesmo anuário indicam que, para 2030, em um cenário conservador, teremos cerca de 2.700 eletropostos de recarga, desconsiderando carregadores privados de uso próprio ou residencial.

Em cenários mais otimistas, esse número pode chegar a 102.000 unidades de veículos elétricos, com a incorporação de até 44.000 pontos de recarga em 2030. Esses números refletem uma clara tendência de crescimento na infraestrutura de carregamento para carros elétricos no Brasil. 

Os desafios da expansão da infraestrutura de carregamento

Contudo, a expansão da infraestrutura de carregamento para veículos elétricos na América Latina enfrenta desafios significativos. Ainda de acordo com o 2º Anuário da PNME, “a infraestrutura de recarga pública e semipública para veículos elétricos ainda é muito limitada nos países da América Latina” (p. 42). Isso reflete a necessidade de uma estratégia ou lei nacional específica para promover a mobilidade elétrica, envolvendo diversos atores do ecossistema.

No Brasil, a Resolução ANEEL nº 819, de 19 de junho de 2018, foi um marco regulatório importante, permitindo a comercialização de energia para recarga de veículos elétricos. Ela estabelece que o serviço de recarga é uma atividade que envolve competição e é distinta da comercialização, fornecimento e distribuição de energia elétrica convencionais.

Um dos principais objetivos com a promulgação dessa regulamentação foi reduzir a incerteza para os investidores em infraestrutura de recarga. A ANEEL optou por uma regulamentação mínima, evitando interferências com a operação da rede elétrica e impactos significativos nas tarifas de energia elétrica para os consumidores.

Então, embora o Brasil tenha avançado na legislação e na expansão dos postos de carregamento para carros elétricos, diversos desafios devem ser superados para garantir uma infraestrutura robusta e eficiente no país. Eles incluem:

  1. Custos de Adequação de Infraestrutura Elétrica: A instalação de pontos de carregamento rápido exige uma infraestrutura elétrica robusta, o que pode ser caro.
  2. Modelos de Negócio em Validação: Ainda não existem padrões consolidados no mercado, tornando a contratação pelas empresas mais desafiadora.
  3. Falta de Regulação: A ausência de regras claras sobre a cobrança da recarga pelas empresas pode desencorajar investimentos no setor.
  4. Infraestrutura de Recarga Limitada: A escassez de infraestrutura de recarga, especialmente em áreas urbanas e interurbanas, pode desencorajar a adoção de veículos puramente elétricos.

As oportunidades e iniciativas em andamento

Em 2018, a ANEEL deu um importante passo ao aprovar a Resolução Normativa nº 819 mencionada. Desde então, iniciativas em todo o território nacional se dedicam a viabilizar a criação de uma ampla rede de estações de recarga. Continue para entender mais sobre outras medidas implementadas desde então e as oportunidades que estão surgindo.

Medidas governamentais

O poder público tem adotado medidas para incentivar a adoção de veículos elétricos. Distrito Federal, Maranhão, Paraná, Pernambuco e outros estados têm concedido a isenção do IPVA para esses veículos, o que estimula a compra e a utilização.

Programas governamentais também visam reduzir os tributos sobre os veículos elétricos, tornando-os mais competitivos no mercado nacional. Além disso, investimentos em pesquisa têm sido direcionados para a fabricação local desses veículos no Brasil. 

Essas medidas combinadas representam oportunidades promissoras para o crescimento da mobilidade elétrica no país e, como consequência, maior demanda por estruturas de recarga.

Iniciativas de empresas do setor elétrico

Empresas do setor energético no Brasil têm tomado iniciativas locais para impulsionar a infraestrutura de carregamento para veículos elétricos. Essas iniciativas incluem a instalação de estações de recarga em locais estratégicos, como postos de combustível, centros comerciais e áreas urbanas.

Um exemplo notável é a parceria entre a GreenYellow e a Mobilize. Esta colaboração visa fornecer carregadores elétricos, ampliando a rede de carregamento e tornando-a mais acessível para os proprietários de veículos elétricos. Outras ações notáveis incluem a Aliança pela Mobilidade Sustentável da 99, que busca promover soluções de transporte mais limpas e eficientes.

Essas empresas e parcerias estão desempenhando um papel crucial na expansão da rede de carregamento no Brasil, tornando-a mais acessível e conveniente para os usuários e contribuindo significativamente para um futuro mais sustentável no setor de transportes.

Investimento de fabricantes automotivos

Grandes fabricantes automotivos, como Audi e Porsche, que fazem parte do Grupo Volkswagen, estão investindo no desenvolvimento da infraestrutura de carregamento para veículos elétricos no Brasil. Essa iniciativa representa uma oportunidade para expandir a rede de recarga, tornando-a mais abrangente e eficiente em todo o país.

Os pontos de carregamento da GreenYellow

Uma das áreas-chave em que a GreenYellow atua é a instalação de pontos de carregamento para veículos elétricos. Somos uma empresa especializada em soluções de transição energética e também atuamos com a implantação de pontos de recarga, sendo responsável desde a adaptação da infraestrutura de recarga até a operação dos eletropostos.

Um exemplo dos resultados positivos que esse serviço tem oferecido é a parceria entre a GreenYellow e o Assaí Atacadista, uma das maiores redes de supermercados do país. 

Por meio dessa colaboração, o Assaí oferece um serviço gratuito de recarga elétrica para os carros de seus clientes em 30 lojas distribuídas em 13 estados do país. A GreenYellow foi a parceira deste projeto, sendo a empresa responsável pelo fornecimento e instalação de um total de 90 eletropostos nessas lojas, tornando a mobilidade elétrica mais acessível e conveniente. No vídeo a seguir, você pode ver mais detalhes do projeto.

Outro caso de destaque é a parceria entre a GreenYellow e o grupo varejista Casino, na França. Nessa colaboração, foram instalados mais de 100 pontos de carregamento ultrarrápidos para veículos elétricos.

Para empresas que desejam adotar práticas mais sustentáveis e oferecer soluções de mobilidade limpa aos seus clientes e funcionários, a GreenYellow é uma parceira confiável e comprometida com um futuro mais verde.

O crescimento expressivo nas vendas de veículos elétricos e as iniciativas tanto do setor público quanto privado para expandir a infraestrutura de carregamento são testemunhos do compromisso do país com a inovação e a sustentabilidade. No entanto, ainda há desafios a serem superados, desde a regulamentação até a expansão efetiva dos eletropostos. O futuro é elétrico, e todos nós temos um papel a desempenhar para torná-lo uma realidade.

Aproveite para conhecer mais sobre as soluções da GreenYellow em infraestrutura de recarga e entre em contato com nossa equipe!

¹ http://www.abve.org.br/oito-meses-que-mudaram-o-mercado-de-eletromobilidade/

Posts relacionados

Case de sucesso: eficiência energética inteligente para o Grupo Casas Bahia

O papel das empresas na luta contra as mudanças climáticas

GreenYellow investe R$ 14,5 mi em contratos de eficiência energética com redes de varejo

Mercado livre de energia: como funciona em 2024?