Cidade inteligente: o que é e o que a faz ter esse nome?

imagem Cidade inteligente: o que é e o que a faz ter esse nome?

Basicamente, o conceito envolve cidades que aliam tecnologia e desenvolvimento sustentável. Dessa forma, elas conseguem oferecer melhores condições de vida aos moradores, sem agredir o meio ambiente.

Parece muito futurístico para você? Pois saiba que já existem cidades que se encaixam dentro desse conceito. Quer entender melhor? Confira as informações que separamos!

O que é uma cidade inteligente?

Cidade inteligente é aquela que utiliza tecnologias de comunicação e informação para melhorar a eficiência operacional, compartilhar informações com o público e promover melhor qualidade dos serviços governamentais, além de garantir o bem-estar geral dos moradores.

A ideia é utilizar tecnologias para promover mais qualidade de vida aos moradores, bem como implementar práticas de desenvolvimento sustentável que consigam superar os desafios atuais trazidos pela urbanização.

Características

Algumas características básicas ajudam a definir e a compreender melhor o conceito de cidade inteligente:

  • uso das tecnologias de comunicação e informação;
  • uso da automação nas construções;
  • planejamento urbano eficiente;
  • transporte público que favoreça a mobilidade e a sustentabilidade;
  • controle dos resíduos e do uso dos recursos naturais;
  • preocupação com a sociedade e o meio ambiente;
  • tecnologias aplicadas à educação e à saúde;
  • transparência entre governantes e moradores;
  • compartilhamento de dados.

Quais os exemplos de cidades inteligentes?

Para quem acha que o conceito de cidade inteligente é muito distante da realidade, saiba que já existem exemplos reais ao redor do mundo e também no Brasil.

Mundial

Algumas cidades mundiais que se enquadram dentro do termo são:

  • Cingapura: está sempre nos rankings das smart cities do mundo. A cidade é muito tecnológica, com um sistema de saúde digital (com consultas por vídeo e monitores com IoT — Internet das Coisas), sensores espalhados pelos bairros para medir de tudo, desde o nível de limpeza até o quão lotado estão os eventos, entre outras iniciativas;
  • Oslo: a capital da Noruega está focada em criar um ambiente que seja sustentável e amigo do meio ambiente. A cidade possui mais de 650 mil LEDs que se ajustam de forma inteligente conforme as necessidades de iluminação. Além disso, está empenhada em renovar toda a sua frota para veículos elétricos até 2025;
  • Nova Iorque: centenas de sensores inteligentes estão espalhados pela cidade americana e seus distritos para coletar uma grande quantidade de dados capazes de melhorar os serviços essenciais. A cidade também está empenhada em melhorar a conectividade para os cidadãos, com pontos de carregamento de celular e Wi-Fi, além da cultura de dividir carros, muito presente entre os nova-iorquinos;
  • Copenhague: a capital da Dinamarca tem investido em diferentes soluções como monitores da qualidade do ar, do consumo de energia, do tráfego e do uso dos recursos naturais.

Brasil

O Brasil também tem exemplos de cidades consideradas inteligentes. De acordo com o ranking Urban Systems¹, as cidades mais inteligentes do nosso país são: São Paulo, Florianópolis, Curitiba, Brasília, Vitória, São Caetano do Sul, Rio de Janeiro, Campinas, Niterói e Salvador.

São Paulo tem destaque por suas soluções como Bilhete Único, cadastro imobiliário informatizado, georreferenciado e disponibilizado ao cidadão, monitoramento de área de risco, centro de controle de operações, agendamento online de consulta na rede pública de saúde e atendimento ao cidadão por meio de aplicativo. Além disso, 99,8% da população tem cobertura 4G.

O que torna uma cidade inteligente?

Como vimos, são várias as características importantes para uma cidade inteligente. Que tal analisarmos detalhadamente esses pontos?

Preocupação social

A preocupação social é muito presente nas cidades inteligentes. Por isso, é preciso pensar em formas de garantir acesso à cultura e à educação de qualidade aos moradores.

Além disso, cidades inteligentes abrigam grupos diversos, garantindo qualidade de vida, desenvolvimento econômico e social e segurança pública para todos.

Economia

Uma cidade inteligente também deve ser economicamente ativa, com planos para indústria, inovação e iniciativas empreendedoras. Isso facilita a chegada de novos negócios e gera emprego e renda aos habitantes.

Infraestrutura

Uma estrutura automatizada é indispensável nas smart cities. Para isso, tecnologias como inteligência artificial, uso de diversos sensores, coleta e processamento de dados e redes de alta velocidade são fundamentais.

Dessa forma, fica mais fácil monitorar aspectos importantes como segurança, transporte, tráfego, abastecimento de água e de energia, serviços de saúde etc.

Comunicação

A comunicação é um ponto-chave nas cidades inteligentes. Tanto com o compartilhamento de dados e informações do governo para os cidadãos como entre os moradores. Mais comunicação promove o debate e a desburocratização dos serviços, o que leva a maior transparência e cidadania.

Integração

Como são usadas diversas tecnologias, é mais fácil para essas cidades integrar diferentes órgãos. Por exemplo, polícia e bombeiros tendo acesso às informações das ocorrências de maneira mais simples e em tempo real, permitindo ações eficazes e integradas.

Quais as tecnologias presentes em uma smart city?

A tecnologia é indispensável em uma cidade inteligente. É ela que permite a conexão das pessoas e das informações, bem como traz soluções sustentáveis para os problemas enfrentados pela urbanização.

Confira as principais usadas em uma smart city.

Internet das coisas (IoT)

Comunicação contínua e integração são bases de qualquer cidade inteligente. Por isso, a internet das coisas tem um papel fundamental. É ela que assegura a transmissão dos dados sem interrupções e faz a conectividade das diversas tecnologias — a exemplo dos sensores, já presentes em diferentes cidades inteligentes do mundo.

Rede 5G

Conectar diferentes dispositivos em alta velocidade é imprescindível para uma cidade inteligente. E é nesse ponto que a Rede 5G se torna tão importante. A partir dela, algumas tecnologias poderão deslanchar, como o uso dos carros autônomos, otimização dos transportes coletivos e compartilhamento de dados em tempo real.

Inteligência artificial

A inteligência artificial é capaz de processar todos esses dados e transformá-los em informações estratégicas aos governantes. Além disso, ela pode ser usada em soluções de tráfego inteligente.

Cloud e Edge Computing

O uso de sensores, IoT e inteligência artificial geram um volume extraordinário de dados. Para evitar ruídos na comunicação, é fundamental a aproximação dos sistemas de computação com os de armazenamento de informações, reduzindo a distância entre o processamento e a análise.

Energia renovável

A energia é vital para uma cidade inteligente. Afinal, todas essas tecnologias dependem dela para funcionar. Mas, como vimos, a preocupação com o meio ambiente e o uso racional dos recursos é uma premissa indispensável de uma smart city.

Nesse contexto, as fontes de energia limpas e renováveis se tornam ainda mais importantes, especialmente a energia solar. Ela será vital tanto na produção como na distribuição da energia. Com isso, o sistema que conhecemos hoje se tornará cada vez mais ultrapassado.

Com tecnologia que permite a cada cidadão ou conjunto de moradores gerar sua própria energia, o monopólio das concessionárias será cada vez menor. Assim como também será imperativo o uso de tecnologia que meça e otimize o consumo de energia. Isso gera um ambiente realmente sustentável, igualitário e justo.

Conclusão

Neste conteúdo, você aprendeu que uma cidade inteligente é aquela que utiliza tecnologia para trazer mais qualidade de vida, segurança e bem-estar aos moradores, ao mesmo tempo em que otimiza o uso dos recursos naturais e reduz os impactos ambientais.

Quando tecnologia, sociedade e meio ambiente estão integrados, os cidadãos têm muito a ganhar.

São vários os benefícios trazidos por essas cidades:

  • uso racional dos recursos ambientais (garantindo que as próximas gerações terão acesso a eles);
  • menor impacto ambiental;
  • ambiente atrativo para empreendedores e investidores;
  • geração de empregos e surgimento de novos negócios;
  • mais qualidade de vida;
  • melhor acesso aos serviços públicos e a dados públicos;
  • maior transparência.

Agora você já sabe o que é uma cidade inteligente e viu o papel da energia renovável nesse contexto. Aproveite a visita e leia nosso conteúdo sobre energia verde para entender essa solução!

¹ https://www.urbansystems.com.br/rankingconnectedsmartcities

Posts relacionados

Case de sucesso: eficiência energética inteligente para o Grupo Casas Bahia

O papel das empresas na luta contra as mudanças climáticas

GreenYellow investe R$ 14,5 mi em contratos de eficiência energética com redes de varejo

Mercado livre de energia: como funciona em 2024?